Skip to content
Anúncios

Uma ameaça subestimada: poluição terrestre com microplásticos

FORSCHUNGSVERBUND BERLIM*

Minúsculas partículas de plástico também representam uma ameaça para as criaturas em terra e podem ter efeitos prejudiciais semelhantes ou mesmo mais problemáticos do que nos nossos oceanos.

Pesquisadores do Leibniz-Institute of Freshwater Ecology e Inland Fisheries (IGB) e seus colegas de Berlim alertam: o impacto dos microplasticos nos solos, sedimentos e nas águas doces pode ter um efeito negativo a longo prazo sobre os ecossistemas terrestres em todo o mundo.

Fibras poliacrílicas no solo. CRÉDITO: Anderson Abel de Souza Machado
Fibras poliacrílicas no solo. CRÉDITO: Anderson Abel de Souza Machado

Agora é amplamente aceito que os microplásticos contaminam nossos oceanos e prejudicam os habitats costeiros e marinhos. E, no entanto, o efeito que os fragmentos de plástico têm nos ecossistemas “em terra firme” é pouco conhecido

Esta questão é objeto de uma investigação iniciada pelo IGB, em parceria com a Freie Universität Berlin, que analisa os estudos individuais anteriores sobre o tema dos microplásticos em relação ao efeito nos ecossistemas terrestres. “Embora apenas algumas pesquisas tenham sido realizadas nesta área, os resultados até o momento são relevantes: fragmentos de plástico estão presentes praticamente em todo o mundo e podem desencadear muitos tipos de efeitos adversos. Os efeitos observados anteriormente de microplasticos e nanoplásticos em ecossistemas terrestres em todo o mundo indicam que esses ecossistemas também podem estar em séria ameaça “, explica o pesquisador do IGB, Anderson Abel de Souza Machado, que lidera o estudo.

Mais de 400 milhões de toneladas de plástico são produzidos globalmente a cada ano. Estima-se que um terço de todos os resíduos de plástico acabe em solos ou nascentes. A maior parte deste plástico se desintegra em partículas menores que cinco milímetros, referidas como microplásticas, e se separa ainda mais em nanopartículas, com menos de 0,1 micrometro de tamanho. Na verdade, a poluição microplástica terrestre é muito maior do que a poluição microplástica marinha – uma estimativa de quatro a 23 vezes mais, dependendo do meio ambiente. O esgoto, por exemplo, é um fator importante na distribuição de microplásticos. De fato, 80 a 90 por cento das partículas contidas nos esgotos, como as fibras de vestuário, persistem nas lamas. As lamas de esgoto são então aplicadas em campos como fertilizantes, o que significa que milhares de toneladas de microplásticos terminam em nossos solos a cada ano.

Efeito potencialmente tóxico em muitos organismos

Alguns microplásticos exibem propriedades que podem ter efeitos prejudiciais diretos sobre os ecossistemas. Por exemplo, as superfícies de pequenos fragmentos de plástico podem transportar organismos que causam doenças e atuam como um vetor que transmite doenças no meio ambiente. Os microplásticos também podem interagir com a fauna do solo, afetando suas funções de saúde e solo. As minhocas, por exemplo, fazem suas tocas de forma diferente quando os microplásticos estão presentes no solo, afetando a condição física do solo e a condição do solo.

De um modo geral, quando as partículas de plástico se quebram, ganham novas propriedades físicas e químicas, aumentando o risco de terem um efeito tóxico sobre os organismos. E quanto mais provável é que os efeitos tóxicos ocorram, maior o número de espécies potencialmente afetadas e funções ecológicas.

Os efeitos químicos são especialmente problemáticos no estágio de decomposição, conforme observado pela equipe de autores liderada por Anderson Abel de Souza Machado. Por exemplo, aditivos como ftalatos e lixiviação de Bisfenol A em partículas de plástico. Estes aditivos são conhecidos por seus efeitos hormonais e podem potencialmente interromper o sistema hormonal não apenas de vertebrados, mas também de vários invertebrados.

Além disso, partículas de tamanho nanométrico podem causar inflamação; eles podem atravessar ou mudar barreiras celulares, e até mesmo atravessar membranas altamente seletivas, como a barreira hematoencefálica ou a placenta. Dentro da célula, eles podem desencadear mudanças na expressão de genes e reações bioquímicas, entre outras coisas. Os efeitos a longo prazo dessas mudanças ainda não foram suficientemente explorados. No entanto, já foi demonstrado que, ao passar os nanoplásticos da barreira hematoencefálica, têm um efeito que altera o comportamento nos peixes.

Partículas de plástico já detectadas em muitos alimentos

Os seres humanos também ingerem microplásticos por meio de alimentos: já foram detectados não apenas em peixes e frutos do mar, mas também em sal, açúcar e cerveja. Pode ser que a acumulação de plásticos em organismos terrestres já seja comum em todos os lugares e, os pesquisadores especulam, mesmo entre aqueles que não “ingerem” seus alimentos. Por exemplo, pequenos fragmentos de plástico podem ser acumulados em leveduras e fungos filamentosos.

A ingestão e absorção de pequenos microplásticos pode ser o novo fator de estresse a longo prazo para o meio ambiente. No entanto, no momento, há uma falta de métodos padronizados para a determinação de microplasticos em ecossistemas terrestres, a fim de produzir uma avaliação precisa da situação. Muitas vezes, é um processo difícil e intensivo em mão-de-obra para detectar pequenos fragmentos de partículas de plástico em solos, por exemplo.

O novo estudo IGB destaca a importância de dados confiáveis e cientificamente baseados em comportamentos de degradação e os efeitos de microplásticos. Estes dados são necessários para poder responder eficazmente à contaminação por microplásticos e ao risco que eles representam para os ecossistemas terrestres – onde, afinal, a maioria dos resíduos de plástico que entra no ambiente se acumula.

Referência:

de Souza Machado AA, Kloas W, Zarfl C, Hempel S, Rillig MC. Microplastics as an emerging threat to terrestrial ecosystems. Glob Change Biol. 2018;00:1–12.
https://doi.org/10.1111/gcb.14020

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/02/2018

 

Conteúdo Relacionado

Cientistas documentam entrada de plástico na cadeia alimentar terrestre

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: