Arquivos

Posts Tagged ‘Meio Ambiente’

André Trigueiro – O Homem e o Meio Ambiente – O desequilíbrio ecológico na visão espírita

Independente de religião, crença, ideologia, essa palestra do jornalista André Trigueiro é muito interessante. Professores, é ótima para se apresentar em sala de aula.

Hoje é dia Mundial do Meio Ambiente

A maioria das pessoas atualmente tem uma visão distorcida sobre o que seria realmente “Meio Ambiente”. Meio Ambiente não se trata apenas de coisa de Eco Chato e não é algo distante da gente, o meio ambiente, segundo definição da Wikipedia é:  “comumente chamado apenas de ambiente, envolve todas as coisas vivas e não-vivas ocorrendo na Terra, ou em alguma região dela, que afetam os ecossistemas e a vida dos humanos. É o conjunto de condições, leis, influências e infra-estrutura de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas.”

De acordo com a resolução CONAMA 306:2002: “Meio Ambiente é o conjunto de condições, leis, influencia e interações de ordem física, química, biológica, social, cultural e urbanística, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas”

Definição da ISO 14001:2004 para meio ambiente: “circunvizinhança em que uma organização opera, incluindo-se ar, água, solo, recursos naturais, flora fauna, seres humanos e suas inter-relações.”

Ou seja, quando causamos distorções ao ambiente que nos circunda, consequentemente causamos danos a nós mesmos.

Grande parte da população do Brasil por exemplo tem como seu Meio Ambiente maior, as cidades. Nessas cidades atuais, lotadas de pessoas, podemos encontrar: Poluição do ar, da água, poluição sonora, do solo, baixa qualidade de vida, ilhas de calor, insegurança, entre outros. Esse tipo de ambiente tem provocado problemas de ordem física e psíquica nas pessoas e seus animais domésticos. Até mesmo animais selvagens tem procurado as cidades em busca de moradia e alimentação, pois, o seu habitat, o seu meio ambiente, tem sido severamente destruído.

O consumismo desenfreado e irresponsável do ser humano tem levado ele mesmo e todas as criaturas vivas a uma séria ameaça a sua própria sobrevivência. Estamos cada dia mais nos afastando do que é a essência da vida, do conviver em harmonia. Nossa ganância está levando o nosso planeta como um todo a exaustão, estamos garadativamente cavando nossa própria sepultura, pois ainda não entendemos que Meio Ambiente não é apenas sinônimo de natureza. Espero que um dia essa data possa realmente ter muita importância para todos nós.

Mother Gaia, save us from us!

Pequenas centrais hidrelétricas (PCH) – Estão tentando nos enganar

Para vocês investidores de PCHs

 

Não entendo qual seria a função de uma PCH em um rio com um volume pequeno de água. A quantidade de energia gerada é mínima e os impactos causados ao meio ambiente da região são altos, principalmente quando falamos de não apenas uma, mas de oito PCHs que é o montante que estão querendo construir ao longo do rio Meia Ponte. Tenho certeza que muitos irão me criticar dizendo que sou um xiita, que eu deveria parar de tomar banho quente ( que foi o que um ser escatológico teve coragem de me dizer), que eu deveria morar numa caverna e tudo mais. Acredito, como o nobre colega que escreveu o texto abaixo que existem interesses muito mais profundos por trás dessas usinas. São investidores atraídos por um negócio super rentável, não se importando com o meio ambiente ( na frente dos panos eles dizem que se importam) ,pura balela. O texto abaixo é bem esclarecedor, por favor leiam.

 

 

PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS (PCH)

Há pouco tempo e de triste lembrança a nossa região norte sofreu forte coação para fins de agressão à natureza, visando a implantação do cultivo e usinas de cana de açúcar. Grupos econômicos forasteiros e milionários locais mantiveram feroz disputa com os defensores do meio ambiente, cuja primeira etapa (a segunda está por vir) foi vencida pelos ambientalistas, tendo à frente o herói Francelmo, que em defesa da preservação do pantanal chegou ao ato extremo do suicídio e colocando fim ao sonho de capitalistas regionais ostentarem vaidosamente a condição de usineiros.

Os cavaleiros do apocalipse, montados em suas ambições convenceram políticos interesseiros, empresários inescrupulosos, letrados inocentes, ignorantes orgulhosos, jovens empolgados e parte do povo manipulado, com a inescrupulosa proposta da degradação ambiental, promovendo enorme estardalhaço com a oculta intenção de acumular lucros, mesmo a custa do prejuízo do cenário natural local.

Lamentávelmente eles estão de volta com novos objetivos e usando novas táticas.  Agora vêm sorrateiros, disfarçadamente montados em lombos de jumentos (representados pelos seus súditos e parceiros) trazendo projetos de investimentos de vultosos valores com a finalidade de acumular mais riquezas, como sempre pouco se importando com a agressão ao ambiente. A falsa promessa de progresso, geração de rendas e empregos é a mesma de sempre: o legítimo e eterno blá-blá-blá.

A nova meta é a construção, no norte do Mato Grosso do Sul, de várias unidades de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs).

Uma PCH resulta num investimento de soma significativa e lucros elevados em relação ao capital aplicado, portanto muito atrativo para grandes investidores. Por produzirem pequenas, mas lucrativas quantidades de eletricidade, as PCHs possuem custos mais elevados derivando disso grandes incentivos governamentais, entre outros os créditos com recursos públicos e desconto no uso dos sistemas de transmissão e distribuição de energia elétrica, amparados na legislação atual. A aprovação do projeto é condescendente até na confecção simplificada  do estudo de impacto ambiental.

A energia gerada é de livre comercialização, inclusive com qualquer concessionária de serviço público e o empreendimento é imune (pasmem) da compensação financeira pela utilização de recursos hídricos, estando também isentas de investimentos em pesquisa e desenvolvimento do setor elétrico.  Por força dos incentivos o Município e o Estado recebem valores insignificantes como royalties da comercialização do fruto dessas empresas.

Inundar uma área de apenas 3 k2. (três quilômetros quadrados) no máximo, represar o rio com uma barragem de alguns metros de altura, instalar uma ou duas pequenas turbinas é o conteúdo principal da iniciativa.

Não acreditar no impacto maléfico e modificações ambientais que tais realizações virão trazer para nossos rios é menosprezar a própria inteligência. Interromper o caminho dos viventes nessas águas é exterminá-los em curto prazo. Prejudicar, mais do que beneficiar os ribeirinhos é certo e lógico.

Estão previstos dois empreendimentos hidrelétricos na região Norte: um no rio Coxim, denominado “Pequena Central Hidrelétrica São Domingos”,  e outro no rio Jauru. Os dois rios são afluentes do Taquari. Mais quatro projetos já são alvos de projetos para construção de PCHs no rio Taquari, nos municípios de Pedro Gomes e Alcinópolis. Já funcionam a PCH Porto das Pedras, entre Chapadão do Sul e Água Clara e a PCH Buriti, ambas no rio Sucuriú.

A tutela jurídica do meio ambiente foi incorporada pela Constituição Federal de 1988 que reconheceu o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, disponibilizando instrumentos jurídicos de defesa ambiental em três esferas de responsabilização: administrativa, civil e penal.

Assim sendo, o cidadão brasileiro pode agir em conjunto ou separadamente, por meio de uma Ação Popular na defesa de um bem da coletividade. Outro importante instrumento jurídico para a defesa do meio ambiente é a Ação Civil Pública, de acordo com o artigo 5.º da Constituição Federal, podendo ser proposta pelo Ministério Público, pela União, pelos Estados e Municípios, inclusive em pedidos de cumprimento de obrigação de não fazer. Ainda mais, o Mandado de Segurança Coletivo é outra forma de ação judicial que pode ser proposta por entidades ou associações de classe.

Este trabalho inicial tem como objetivo incentivar a conscientização da importância da preservação do meio ambiente com a proteção contra a investida do poder econômico na degradação de nossos rios, podendo e devendo ser providenciado tal amparo, com urgência, pela sociedade e por meios legais sem se chegar ao extremo que chegou o saudoso Francelmo, a quem sempre nos curvaremos pela sua coragem na busca do seu ideal.

O autor é advogado – contato: fdsemim@hotmail.com

Texto acessado em 08/10/2011 em Saber na rede

 

Leia no link abaixo sobre como lidam com a questão das PCHs, veja se não é por causa de um negócio rentável que se investe uma boa grana.
http://www.synergiaeditora.com.br/noticias/1218-pchs-sao-consideradas-alternativas-para-geracao-de-energia-limpa-e-renovavel-com-pouco-impacto-no-meio-ambiente-

Dia 14 de Agosto – Dia de combate a poluição!

A Poluição é qualquer tipo de degradação das condições ambientais e do habitat de uma coletividade. É uma perda, mesmo que relativa, da qualidade de vida em decorrência de mudanças ambientais. É importante salientar que nem sempre um ambiente poluído para uma espécie é prejudicial para outra.

Os agentes que provocam a poluição são chamados de poluentes: um ruído excessivo, um gás nocivo na atmosfera, detritos que sujam os rios ou praias ou até mesmo a fachada de uma loja que degrada o aspecto visual de uma paisagem.

Em virtude do crescimento populacional, o homem necessita ampliar ou construir novas cidades e com isso vai ocupando as áreas reservadas à natureza, para sua sobrevivência e para criar condições de vida. É uma estranha contradição esse relacionamento do homem com a natureza: ele destrói para construir. Essa atitude já tem se refletido bastante no meio ambiente pois o bem estar do homem está relacionado com a manutenção e preservação do meio ambiente.

Quanto mais se destrói, menos condições de vida se têm. Essa condição ruim está começando a aparecer, mas são as gerações futuras que sofrerão as maiores consequências de todos os prejuízos causados à natureza na atualidade.

O dia 14 de Agosto é o dia de combate a poluição, é uma importante data para não só refletirmos sobre a atual situação de nosso planeta, mas também é uma data para agirmos.Várias datas sobre o meio ambiente tem sido criadas nos últimos anos justamente para estimularmos as pessoas a lutar. É a coletividade que está sendo prejudicada, e quando agimos unidos, somos imbatíveis.

O mundo atualmente anda cheio dos chamados ativistas de sofá, pessoas que ficam na frente do computador assinando listas, participando de fóruns, compartilhando links sobre a natureza mas nunca saem do seu mundinho particular para ver a real situação de perto. Só isso não resolve, cai em descrédito, é um simples modismo. O mundo mais do que nunca precisa de nós, mas de forma prática. Devemos sair do nosso quadrado e lutar  pela recuperação e conservação de nossas reservas naturais. Portanto, mãos a obra!

Sugestões:

- Procure saber do orgão ambiental de sua cidade como está sendo o combate aos mais diversos tipos de poluição;
- Verifique os projetos de lei dos vereadores de sua cidade, veja se há algo relacionado a poluição, se não, proponha algo a um político de sua confiança, ou que tenha histórico de luta a esse respeito;
- Denuncie sempre, se ver algo errado não hesite em abrir a boca. Fiscalize depois para saber se o problema foi resolvido;
- Reuna um grupo de amigos e vá a beira de um córrego ou rio e simbólicamente realize a limpeza de uma quantidade considerável de resíduos sólidos que estejam em suas margens, chame a prefeitura para que possa remover o lixo. Divulgue!

Obrigado pela dica Helena! http://www.sosnascentes.org/

Profissões Urbanas: O dia de um coletor de lixo

Achei essa reportagem super interessante, resolvi colocar um trecho aqui o blog. A série é um vídeo e se inicia assim:

A placa branca e vermelha anuncia que no sobradinho de esquina funciona um salão de beleza. Mas quem aparece sorrindo no reflexo do espelho é o coletor de lixo Geison Paulino da Silva, o “Raí”, de 41 anos. “Dividi minha sala pra alugar um pedaço pra cabeleireira, sabe? Em troca, ela me deixa bonito!” – diverte-se, indicando na cabeça o topete com pontas descoloridas.

Raí é um dos 3,2 mil coletores de lixo da cidade de São Paulo que juntos recolhem cerca de 13 mil toneladas de resíduos sólidos domiciliares todos os dias, segundo dados da Ecourbis – uma das empresas terceirizadas pela prefeitura para fazer o trabalho de coleta. Diariamente, cada habitante produz quase 1,5 kg de lixo, de acordo com pesquisa realizada em 2010 pela Abrelpe (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais).

Para ter acesso a reportagem completa, CLIQUE AQUI

Informações gerais – Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns (PUAMA)

Ribeirão Anicuns

Fonte: Site da Prefeitura de Goiânia

O Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns corresponde a um conjunto de ações a serem desenvolvidas pela Prefeitura Municipal de Goiânia, por meio de uma Unidade Executora do Programa (UEP), focadas essencialmente na questão ambiental e sua sustentabilidade.

Estes elementos estão presentes no espírito da administração pública desde a concepção original de Goiânia, mediante a criação de um núcleo urbano, estrategicamente localizado, através de um Plano Urbano, elaborado pelo arquiteto Atílio Corrêa Lima, pautado na idéia das cidades-jardim, procurando resguardar a organização e ordenação dos espaços urbanos integrados ao verde dos bosques e fundos de vale.

O Plano original citado constitui hoje o centro da cidade, onde se localizam grande parte dos principais equipamentos urbanos e serviços administrativos. Em termos espaciais, a ocupação urbana de Goiânia apresenta um desenho marcado por eixos radiais espalhando-se para a periferia em adensamentos decrescentes com núcleos esparsos de altíssima densidade. Observa-se ainda um crescimento populacional nas áreas de fundos de vales que vem se tornando, ao longo das últimas décadas, espaços altamente impactados em termos ambientais.

De acordo com a Agência Municipal do Meio Ambiente – AMMA, todos os 83 cursos de água catalogados que cortam Goiânia estão poluídos, sofrendo ainda com outros problemas na área urbana da cidade, sendo os principais: as edificações em área de preservação, os processos erosivos, os lançamentos de esgotos in natura nos mananciais, a disposição de resíduos sólidos ao longo dos vales e a falta de proteção adequada para as áreas de recarga dos lençóis freáticos.

O Ribeirão Anicuns é classificado como o mais poluído dentre todos, sendo o seu principal afluente o Córrego Macambira. A bacia formada por estes cursos d’água drena aproximadamente 70% da área urbana, sendo a mais representativa bacia hidrográfica de Goiânia.

O Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns está focado na área direta de influência desta bacia, prevendo ações de caráter estrutural em toda a extensão urbana do Córrego Macambira e do Ribeirão Anicuns, através da implantação de um Parque Linear acompanhando esses dois cursos d’água (em ambas as margens) e da criação de dois Parques Ambientais Urbanos: (i) o Parque Macambira, com dimensão planejada de 25,5 hectares situado na região sudoeste de Goiânia (Bairro Faiçalville) constitui uma área de preservação ambiental, por abrigar as nascentes do córrego Macambira, e (ii) o Parque da Pedreira com área prevista de 10,2 ha, situado na encosta do Morro do Mendanha pela vertente sul (junto ao bairro Jardim Petrópolis).

Além disso, o Programa prevê, dentro da sua área de abrangência, a elaboração de projetos e obras, a regularização urbana e o reassentamento de famílias e negócios em áreas de risco, bem como infra-estrutura urbana e social, tais como pavimentação, drenagem, iluminação, escolas (de ensino básico e de ensino infantil), unidades básicas de saúde familiar, centros comunitários, quadras poliesportivas, praças de jogo, ginásios cobertos.

Tais ações têm o intuito de conservar e recuperar um espaço ambientalmente degradado, no qual se observa lançamentos de efluentes domésticos e industriais e a disposição inadequada de resíduos sólidos, que têm propiciado a formação de um ambiente insalubre em uma região altamente adensada.

Soma-se a isso o elemento de sustentabilidade social e ambiental, a ser obtido mediante investimentos internos na Prefeitura de Goiânia, em equipes ou em estrutura física, visando melhorar a capacidade operacional e de gestão do município, de modo a garantir os meios institucionais de promover a participação efetiva da comunidade no estabelecimento de condições necessárias para a sustentabilidade das ações incluídas no Programa.

Água

Abaixo um vídeo super bem feito e explicativo de Sérgio Shao com narração de Antonio Viviani, com imagens do Rio Negro (AM)  e Mambaí (GO)

Ps.: Aqui em minha cidade, Goiânia, que possui mais de 80 cursos d’água catalogados, todos apresentam algum tipo de degradação, seja contaminação por esgotos, lixo, entulhos, erosões, ausência de mata ciliar, entre outra mazelas.  É revoltante. Assista o vídeo abaixo, reflitam! O planeta continua, nós não.

Acessem: http://www.nasnuvens.esp.br

Ribeirão Anicuns – Confirmei minhas suspeitas

Referente ao post  http://guiaecologico.wordpress.com/2009/11/04/quando-os-interesses-ficam-acima-inclusive-da-lei/ onde eu dizia que o leito do ribeirão Anicuns foi alterado, próximo a residencial Serra Azul, eu estava apenas suspeitando que o ribeirão poderia ter sido desviado. Minhas suspeitas foram confirmadas, o RIBEIRÃO FOI DESVIADO! Agora, por quê? Quem deveria responder?  Abaixo coloco as fotos que comprovam o fato.

2008 - Foto antes do desvio do ribeirão

2009 aos dias atuais - Foto após a retificação do leito nesse trecho do residencial Serra Azul

Preciso de respostas, afinal de contas isso é grave. Quais foram os motivos para que tal fato acontecesse? Quem tem conhecimento disso?

Chitãozinho e Xororó – O Rio

Belíssima musica que diz tudo sobre a importância dos rios para nossa sociedade, importância essa que é desprezada em nome do progresso. É pra refletir!

O Rio

Chitãozinho & Xororó

O rio vai descendo a serra
Vai molhando a terra
Seca do sertão
Vai formando uma corrente
Feito uma serpente
Solta pelo chão
E a água do seu leito
É leite do peito da mãe plantação
Que vai eliminar a fome
E matar a sede de toda a nação
O rio vai criando filhos
Vai regando o milho, arroz e feijão
Vai seguindo seu caminho
Segue seu destino, sua direção
Depois que vem a colheita
O rio sempre aceita dos canaviais
O bagaço do alimento e a sobra de tudo
Que ninguém quer mais
Rio que não tem carinho
Qualquer dia desses vão te dar valor
Nasce limpo e morre sujo
Envenenam tudo, até o próprio amor
Será que eles não percebem
Que a natureza pede pra viver
Enquanto vai morrendo o rio
Nada em sua volta poderá nascer.

Aleluia, finalmente a Igreja Católica percebeu! CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2011 – “FRATERNIDADE E A VIDA NO PLANETA”

fevereiro 16, 2011 2 comentários

Cartaz da Campanha

Campanha da Fraternidade 2011  CNBB

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) propõe a cada ano, através da Campanha da Fraternidade (CF), um itinerário evangelizador fortemente voltado para a conversão pessoal e comunitária, em preparação à Páscoa. Em 2011, a CF atinge um marco importante pela 47ª vez!

O tema da Campanha da Fraternidade de 2011 é “Fraternidade e a Vida no Planeta” que será voltada para o meio ambiente; e o lema é “A Criação Geme Como em Dores de Parto”.Dom Dimas Lara Barbosa, bispo auxiliar do arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro e secretário geral da CNBB, conta-nos que aCampanha da Fraternidade de 2011 reflete a questão ecológica, com foco, sobretudo, nas mudanças climáticas.

A Campanha da Fraternidade terá início na Quarta-feira de Cinzas, 9 de março de 2011, desenvolvendo-se durante todo o período de Quaresma.

Hino da Campanha da Fraternidade 2011 – CNBB

Tema: Fraternidade e a vida no planeta
Lema: A criação geme em dores de parto

1. Olha, meu povo, este planeta terra:
Das criaturas todas, a mais linda!
Eu a plasmei com todo amor materno,
Pra ser um berço de aconchego e vida. (Gn 1)

Nossa mãe terra, Senhor,
Geme de dor noite e dia.
Será de parto essa dor?
Ou simplesmente agonia?!
Vai depender só de nós!
Vai depender só de nós!

2. A terra é mãe, é criatura viva;
Também respira, se alimenta e sofre.
É de respeito que ela mais precisa!
Sem teu cuidado ela agoniza e morre.

3. Vê, nesta terra, os teus irmãos. São tantos…
Que a fome mata e a miséria humilha.
Eu sonho ver um mundo mais humano,
Sem tanto lucro e muito mais partilha!

4. Olha as florestas: pulmão verde e forte!
Sente esse ar que te entreguei tão puro…
Agora, gases disseminam morte;
O aquecimento queima o teu futuro.

5. Contempla os rios que agonizam tristes.
Não te incomoda poluir assim?!
Vê: tanta espécie já não mais existe!
Por mais cuidado implora esse jardim!

6. A humanidade anseia nova terra. (2Pd 3,13)
De dores geme toda a criação. (Rm 8,22)
Transforma em Páscoa as dores dessa espera,
Quero essa terra em plena gestação!

Oração da Campanha da Fraternidade 2011

Senhor Deus, nosso Pai e Criador.
A beleza do universo revela a vossa grandeza,
A sabedoria e o amor com que fizestes todas as coisas,
E o eterno amor que tender por todos nós.

Pecadores que somos, não respeitamos a vossa obra,
E o que era para ser garantia da vida está se tornando ameaça.
A beleza está sendo mudada em devastação,
E a morte mostra a sua presença no nosso planeta.

Que nesta quaresma nos convertamos
E vejamos que a criação geme em dores de parto,
Para que possa renascer segundo o vosso plano de amor,
Por meio da nossa mudança de mentalidade e de atitudes.

E, assim, como Maria, que meditava a vossa Palavra e a fazia vida,
Também nós, movidos pelos princípios do Evangelho,
Possamos celebrar na Páscoa do vosso Filho, nosso Senhor,
O ressurgimento do vosso projeto para todo o mundo.

Amém.

Fonte: Divulgação Site da CNBB

Também visto no blog SOS Rios do Brasil

Veja também:

- A igreja e o meio ambiente.
- BOFF COBRA DAS LIDERANÇAS RELIGIOSAS “FALAR MAIS DA CRIAÇÃO E DA PRESERVAÇÃO DA NATUREZA”

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 406 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: